Prefeito influente da cidade da Beira morre de COVID-19

0

Daviz Simango, líder do partido de oposição MDM de Moçambique e presidente do conselho municipal da cidade da Beira , morreu esta segunda-feira num hospital na África do Sul, segundo a imprensa local.

Simango, 57, morreu de complicações da COVID-19 e diabetes, segundo a agência de notícias Zitamar. Ele havia voado para Joanesburgo quando sua condição piorou no fim de semana.

Simango foi eleito autarca da Beira, amplamente considerada a segunda cidade de Moçambique e um centro de apoio da oposição, em 2003 e manteve-se como líder até à sua morte.

Ele era popular e conhecido por administrar um governo municipal eficaz. Treinado como engenheiro, ele apoiou a construção de um sistema de canais de inundação para ajudar o porto do Oceano Índico de 500.000 pessoas a lidar com as inundações de ciclones anuais.

Quando o ciclone Idai devastou Beira em 2019, Simango estava frequentemente nas ruas, ajudando a estabelecer centros de alimentação e clínicas de saúde de emergência. Ele também fez campanha contra o aquecimento global, que ele culpou pelo aumento do nível do mar que afeta Beira.

Simango foi eleito primeiro prefeito da Beira numa coligação eleitoral com a Renamo, o principal partido da oposição de Moçambique. Cinco anos depois, porém, o líder da Renamo, Afonso Dhlakama, recusou-se a deixá-lo concorrer à reeleição. Então ele concorreu e venceu como independente, e então estabeleceu o Movimento Democrático de Moçambique. Seu irmão, Lutero Simango, é o vice-presidente do partido e seu líder no parlamento nacional.

Simango concorreu à presidência de Moçambique em 2009, 2014 e 2019, conquistando o terceiro lugar de cada vez, atrás de candidatos do partido do governo Frelimo e da Renamo. Seu melhor resultado foi em 2009, quando obteve 8,59% dos votos.

Veja também:  Mariano Nhongo está isolado por falta de homens e apoio

O seu partido, o MDM, chegou a governar quatro cidades – incluindo a maior cidade do norte do país, Nampula, bem como Quelimane, capital da província da Zambézia, e a pequena cidade de Gurué. Na altura da sua morte, porém, Beira era a única posse eleitoral do partido.

Simango nasceu na atual Tanzânia, filho de Uria Simango, o vice-chefe exilado da Frente de Libertação de Moçambique, conhecida como Frelimo, o movimento que lutou contra o domínio colonial português. No entanto, seu pai acabou se afastando da festa.

A Frelimo chegou ao poder quando Moçambique conquistou a independência de Portugal em 1975 e o pai de Simango era um crítico do partido no poder.

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.